Em Meio a Rumores de Campos de Concentração Para Gays, a Anistia Internacional Exige que a Chechênia Pare com as Prisões Antigay

This post is also available in: Inglês Espanhol

A Anistia Internacional, a organização não governamental (ONG) internacional voltada para os direitos humanos, deu início a um abaixo-assinado pedindo para que o governo da Chechênia pare de sequestrar e matar homens gays após relatos na semana passada de que cerca de 100 homens gays na Chechênia haviam sido presos e pelo menos três mortos.

A ONG internacional Human Rights Watch afirmou semana passada que “diversas fontes confiáveis” haviam confirmado esses relatos. As alegações surgiram após o porta-voz do governo checheno Alvi Karimov desmentir as acusações ao negar a existência de homens gays no país. Karimov afirmou, “Você não pode prender ou reprimir pessoas que não existem em nossa república.”

Ele continuou, “Se essas pessoas existissem na Chechênia, as autoridades não precisariam se preocupar com elas, porque os próprios parentes os mandariam para um lugar de onde eles não poderiam voltar.”

O comentário de Karimov possivelmente se referia a uma prática chamada “matar por honra” em que membros da família matam qualquer parente que traga vergonha para o nome da família. Kheda Saratova, que faz parte do conselho de direitos humanos da Chechênia, pareceu insinuar a mesma coisa recentemente ao declarar, “Mesmo que uma pessoa (gay) seja morta por seus parentes, [membros da família] não vão se pronunciar, e as autoridades vão reagir com compreensão.”

A Chechênia é um república russa destruída pela guerra localizada no sudoeste do país. Atormentada por sequestros, tortura e homicídios durante suas duas guerras quase que consecutivas com a Rússia durante a virada do século, o país atualmente atua como um Estado semi-independente liderado por Ramzan Kadyrov. O país tem uma ideologia muçulmana extremamente conservadora. Há cerca de 20 anos, o Código Penal Checheno incluiu o Artigo 148, que pune a “penetração anal sexual entre um homem e uma mulher ou entre dois homens” com chibatadas pelo primeiro e segundo delito e morte por apedrejamento ou decapitação pelo terceiro delito. Não se sabe se a lei já foi usada.

A petição da Anistia Internacional surgiu em meio a rumores recentes de campos de concentração para gays na Chechênia, apesar de que essas alegações devem ser vistas com extrema cautela porque elas tiveram origem no The Daily Mail, um tabloide britânico conhecido por inventar histórias sensacionalistas que depois são desmentidas.

(Imagem em destaque por VitaliyPozdeyev via iStock)

 

Traduzido pro Rafael Lessa.